You are currently viewing Cineclube discute Mídia e Comunicação com o filme Cidadão Kane, dia 26

Cineclube discute Mídia e Comunicação com o filme Cidadão Kane, dia 26

O Conselho Regional de Psicologia de Mato Grosso do Sul (CRP 14/MS), por meio de sua Comissão de Comunicação convida psicólogos e psicólogas do Estado, bem como acadêmicos e a sociedade em geral para a edição de setembro do Cineclube do CRP 14/MS.

A exibição será realizada na UCDB Centro, no dia 26 (sábado), das 14 às 16:30 horas, com o filme “Cidadão Kane”. Após a exibição será iniciado um debate com convidados que vão abordar o tema: Mídia e Comunicação.

O evento tem participação gratuita, fornecimento de certificado e limitado a 50 pessoas. As inscrições já estão abertas no site do CRP 14/MS na área AGENDA.

INCRIÇÃO: http://www.crpms.org.br/evento/cineclube-setembro-filme-cidadao-kane/118

 

SOBRE O FILME:

Lançado em 1941, Cidadão Kane alia drama e suspense para narrar a trajetória de Charles Foster Kane, um garoto que atravessa uma infância miserável, mas depois se converte em um dos empresários mais afortunados do Planeta. A história é contada retrospectivamente, depois da morte de Kane, quando um repórter fica intrigado com o termo Rosebud, pronunciado por ele momentos antes de seu falecimento.

Com sua curiosidade despertada, o jornalista Thompson segue as trilhas percorridas por Kane, entrevista as figuras que o acompanharam ao longo do tempo, e se depara com um ser mergulhado na solidão, sempre compelido a cumprir os desígnios de outrem. Aparentemente nenhuma pessoa está realmente preocupada em descobrir e realizar seus desejos. Diante deste contexto, o empresário procura compulsivamente resgatar uma infância não vivida através da conquista dos outros e de bens materiais.

A biografia do poderoso Kane vai sendo tecida por diversos pontos de vista, pois cada entrevistado tem uma visão distinta desta figura enigmática; o filme atua como um misterioso quebra-cabeça que vai gradualmente revelando seu conteúdo. A trajetória ascendente do empresário tem início quando ele recebe uma vultosa soma de dinheiro e vai ser educado por um banqueiro, Walter Parks Thatcher.

Ao escolher a empresa que irá gerir, inexplicavelmente ele opta pela menos promissora, um jornal padronizado e sem nenhuma influência, como um desafio a ser vencido. Desprezando as regras do mercado, ele oferece salários atraentes e descobre o caminho do sensacionalismo lucrativo, criando também uma imagem populista diante da massa de oprimidos. Apesar de tudo, ele termina seus dias completamente sozinho, em meio ao luxo e ao poder que construiu.

Cidadão Kane tornou-se uma obra marcante especialmente por conta de seus renovados métodos narrativos, pelo subversivo enquadramento da câmara e pela cenografia inovadora, que revela originalmente o teto dos ambientes reconstituídos para o filme. Os críticos especializados a consideram, até hoje, a maior obra-prima da história do cinema, com seus recorrentes flashbacks, seu uso correto das nuances sombrias, suas alongadas cenas desprovidas de cortes, suas distorções imagéticas, a intensa dramaticidade gerada por estas técnicas e as luzes nada usuais, sem esquecer das falas justapostas e dos closes contidos.

Este filme foi amplamente premiado, conquistando o Oscar de Melhor Roteiro e o prêmio de Melhor Filme da Associação de Críticos de Nova York. Welles jamais conseguiu obter o mesmo sucesso com outras produções, nem mesmo contratos com estúdios consagrados de Hollywood.